Pular para conteúdo 
Зеленый кофе

O autor

Carlos Eduardo de Souza, Front-End Developer & Interface Designer na Coopers Digital Production, dedica seu tempo para o desenvolvimento de uma Web mais acessível. Possui certificado W3C em Mobile (sites e web apps) e HTML5.

Portfolio e blog sobre Web Standards – project.47, de Carlos Eduardo de Souza

Blog

Topo 18/12/06

Operator: o futuro da Web

Como já venho defendendo esta idéia há um tempo, acredito que os [tag]Microformats[/tag] dão mostra do que será a Internet num futuro próximo; onde as informaçőes são organizadas e cada uma possui seu significado, de maneira que tudo possa ser aproveitado de acordo com sua real finalidade. É o conteúdo sendo mais valorizado e, em maior escala, aproveitado, devido ao suporte maior por parte dos [tag]browsers[/tag] e programas ŕ parte.

Preocupando-se com essa nova realidade, a [tag]Mozilla[/tag] desenvolveu uma extensão para [tag]Firefox[/tag] 2, chamada Operator, que tem como intuito aproveitar as possibilidades que os microformatos nos dão. Não é a primeira extensão do tipo, mas representa um grande avanço e incentivo aos desenvolvedores para que, cada vez em maior número, adotem esta metodologia.

Para mais detalhes do projeto, é só visitar o post oficial sobre o lançamento.

Topo 07/12/06

Microformats cheatsheet

Há algum tempo postei o link para uma lista de propriedades dos [tag]Microformats[/tag], auxiliando muito na utilização dos mesmos.

Estou disponibilizando o link para a versão atualizada dessa lista e, novamente, recomendo altamente para quem pretende utilizar Microformats em seus futuros projetos.

A lista tem mais utilidade como guia. Se vocę estiver interessado em aprender mais sobre o assunto, já escrevi alguns posts e pretendo continuar mostrando mais alguns exemplos práticos, a fim de divulgar essa metodologia de desenvolvimento.

Topo 29/11/06

Referência aos Microformats – hCard

Estamos passado por uma fase na qual muitos se perguntam do verdadeiro papel da W3C e se ela está sabendo desempenhá-lo, de acordo com as expectativas geradas ao longo dos anos e, claro, com a expansão dos [tag]Web Standards[/tag] nos sites e blogs pelo mundo a fora.

Não podemos negar a importância que a [tag]W3C[/tag] teve (e tem) na evolução do [tag]Desenvolvimento Web[/tag], mas devido a algumas falhas, seja na atualização de seu conteúdo, como nas medidas adotadas, o pessoal acabou tomando iniciativa e criando novos padrőes “independentes” que, com o passar do tempo, vęm possuindo mais e mais adeptos. No meu ponto de vista, o maior exemplo de uma iniciativa vinda de fora da W3C são os [tag]Microformats[/tag], cada vez mais aceitos em grandes e pequenos sites, se firmando como uma das grandes tendęncias dessa evolução da Internet, inclusive sendo reverenciado como um dos pilares da Web 3.0 (!!).

Na busca por essa padronização na maneira de se desenvolver o código do site e pela semântica do mesmo, foram criados diversos tipos de microformatos para diversas finalidades (seja para criar um perfil no seu site, mostrar sua localização geográfica, empresa na qual está trabalhando, telefone de casa, calendário, eventos importantes, copyrights, etc.) as quais citarei aqui.

O primeiro tipo de microformato que citarei, é o [tag]hCard[/tag], que também utilizo aqui no project.47. Continuar lendo…

Topo 10/11/06

Microformats são viáveis comercialmente falando?

Imagine-se trabalhando numa agęncia qualquer, na qual se tem prazos curtíssimos e muita coisa a fazer.

Será que tem como aplicar Microformats a grandes projetos, com curto período para desenvolvimento?

Estou passando por isso atualmente, e acho que os Microformatos foram criados possuindo sua função muito importante no desenvolvimento de qualquer tipo de site. Porém, para podermos aplicá-los corretamente, devemos seguir as classes pré-definidas, obviamente, para fazer sentido utilizá-los.

Essa consulta acaba prejudicando, em certo ponto, o andamento do projeto, o que pode deixá-lo impraticável em certos tipos de trabalhos.

Porém, no caminho inverso, estou desenvolvendo o site da minha banda e, como não tenho prazo de entrega, pretendo utilizar muitos recursos dos Microformats, assim como já faço aqui, especialmente no Portfolio. Assim, desenvolvendo com bastante calma, posso implementar as classes nos itens correspondentes, dando significado para cada um deles, auxiliando consideravelmente na semântica do site.

Topo 09/10/06

Significado é tudo

Ao tentar conversar com outras pessoas de regiőes/estados diferentes, algumas falam gírias que ŕs vezes nem entendemos. Imagina quando falamos com pessoas de outro país, que utilizam outra língua para se comunicar, seria impossível transmitir nossas idéias (pelo menos através da fala e escrita).

Penso que no caso da Web o caso seja bastante semelhante. Mas desta vez não estou falando da língua do conteúdo, mas o modo como o site é desenvolvido.

O princípio básico para que haja comunicação é que haja alguém que esteja enviando a informação e alguém que a receba. Porém, se os dois não se comunicarem de uma forma em que ambos se identifiquem, como seria possível um entendimento entre as partes?

Continuar lendo…

Topo 10/07/06

Microformats – Lista de propriedades

O site suda.co.uk disponibilizou um arquivo PDF apresentando uma vasta lista de propriedades e em quais situaçőes devemos utilizá-las, auxiliando seu site a se adequar aos microformatos, já discutidos em outros artigos por aqui.

Estou utilizando justamente esta lista para compor as novas seçőes “Curriculum” e “Portfolio” aqui do site, tornando o site mais “amigável” para ser encontrado seja pelos serviços de busca comuns, como Google ou indexadores de blog, como o Technorati.

Topo 13/05/06

Recomendação na nomeação de classes em CSS

Como todos sabem, a utilização de classes no CSS é indispensável. Com elas, podemos aplicar uma gama de estilizaçőes ŕ vários elementos de seu HTML, de uma vez só, ao contrário das IDs.

Porém, o que alguns ainda não sabem, é que devemos tomar certas precauçőes na nomeação dessas classes pois, de acordo com os Microformats (assunto já tratado num post por aqui), podemos utilizar as classes como meta-informaçőes, ou seja, o próprio nome das classes auxiliaria na explanação do que representa cada elemento. Como um exemplo da utilização dos Microformats temos o hCard, o qual já utilizo na seção Bio aqui do project.47.

Resolvi escrever sobre isto pois uma colega de trabalho, que está começando com CSS, nomeava suas classes com letras maiúsculas, nomes grandes… O que faz a coisa perder todo o seu sentido.

Topo 08/04/06

Você já usou Microformats?

Ainda não me aprofundei muito neste assunto mas falando, bem resumidamente, pode-se dizer que os Microformats são meta informaçőes que auxiliam na compreensão do conteúdo de seu site, seja por um humano ou uma máquina.

Como o próprio nome já diz, as meta informaçőes são palavras que não aparecem num primeiro momento para o usuário, mas estão presentes no código-fonte do site. Em linhas gerais, essas meta informaçőes são mostradas como classes de spans, divs, etc. classificando o conteúdo que está inserido em cada “bloco” de informação.

E para haver coeręncia, óbviamente devem-se seguir padrőes para tal e desenvolver-se um site semânticamente correto. Portanto, recomendo alguns sites para uma leitura mais aprofundada sobre o assunto, mostrando muitas outras utilidades dos Microformats:

Para não ficar por fora, no link “Bio” aqui deste site, inseri meu hCard que é uma forma de Microformats e recomendo utilizá-lo!

Links Randômicos
Meta
Apoio
Créditos
Creative Commons