Pular para conteúdo 
Зеленый кофе

O autor

Carlos Eduardo de Souza, Front-End Developer & Interface Designer na Coopers Digital Production, dedica seu tempo para o desenvolvimento de uma Web mais acessível. Possui certificado W3C em Mobile (sites e web apps) e HTML5.

Portfolio e blog sobre Web Standards – project.47, de Carlos Eduardo de Souza

Blog

Topo 15/08/06

Faz sentido se adequar aos Web Standards?

Se vermos pelo lado do Google parece que não. Várias discussőes já foram abertas sobre o fato, pois trata-se de uma empresa que sempre causa um grande impacto a cada novidade que lança e, claro, pela qualidade dos serviços oferecidos.

Mas, se uma empresa desse porte e importância que o Google tem atualmente, por que não adota os Web Standards?

Já que eles não adotam, então não preciso adotar também. Possuem um grande número de acessos e não saem prejudicados por não se adequarem aos padrőes.

Muitos podem pensar assim, fazer um site sem especificar seu DOCTYPE, utilizando tabelas e os famosos spacers em gif para dar o aspecto desejado ao site e, acima de tudo, um código sujo e pesado.

Mas basta fazer uma comparação entre a versão atual com uma escrita corretamente, dentro dos Web Standards, e ver a diferença. Pode parecer pouco, mas há uma diferença maior de 1k por página, ou seja, num site com um tráfego enorme como o Google isso faz toda a diferença. Então, por que ser contra se adequar aos padrőes?

Assuntos: Web Standards
Trackback Feed deste artigo

22 comentários para "Faz sentido se adequar aos Web Standards?"

  1. Jader Rubini | 15/08/06 - 12:14 pm

    Realmente é lamentável que o Google, precursor de tantos serviços e líder absoluto em SE, não tenha se adequado até hoje aos padrőes.
    Mas, embora seja referęncia em diversas áreas, não podemos nos basear no (mau) exemplo do Google para desenvolver nossos sites. Todos nós sabemos que a adequação aos padrőes é um benefício não só aos usuários finais, mas a nós desenvolvedores também.

    Topo
  2. Carlos Eduardo de Souza | 15/08/06 - 12:32 pm

    Com certeza! Bela observação.
    s vezes a gente fala demais no usuário e esquece na facilidade que há para o desenvolvedor e, principalmente, a flexibilidade que um layout baseado em CSS nos oferece.

    Topo
  3. Leandro | 15/08/06 - 7:46 pm

    Pergunto a todos: E aqueles que não são profissionais da web (meu pai por exmplo), que querem ter seu site na internet, para divulgar suas idéias? Terão que seguir os padrőes web?

    A internet é isso que é hoje porque permite que todos possam divulgar informaçőes (e consequentemente outras pessoas vizualizarem). Obrigar padrőes web seria limitar a poucos a utilização da principal da internet: divulgar informaçőes.

    Abaixo aos padrőes webs, browsers devem ser compativeis com tudo, não apenas com padrőes web! VIVA A INTERNET LIVRE! INTERNET DE TODOS!!!

    FORA FIREFOX E SUAS LIMITACOES AOS PADROES WEB!! VIVA EXPLORER!! O BROWSER PARA TODOS!!!

    Topo
  4. Carlos Eduardo de Souza | 15/08/06 - 10:41 pm

    Assim como não devemos ser radicais para adotar os padrőes, não devemos ser para não adotá-los!

    Agora lhe pergunto: seu pai é profissional da Web ou não? Ele tem total liberdade de fazer o site do jeito que ele quiser.

    O que estou fazendo aqui, é aconselhar ŕqueles que pretendem trabalhar com isso, e exige uma responsabilidade, pois acarreta na maneira como as pessoas visualizarão seu site.

    Vamos fazer uma comparação: há muitos profissionais bons na área dos impressos, que tęm embasamento teórico e tudo mais para aplicá-los em seus trabalhos. Isso, na teoria, seria o certo.
    Mas há muita gente que não tem o menor conhecimento da área, só sabe mexer em programa, e mesmo assim o faz. É proibido? Claro que não.

    O que fazemos é tentar conscientizar e ajudar ŕqueles que se propőem a mudar de visão.

    No caso de seu pai, ele tem que fazer o que melhor lhe convir. Na verdade, não só ele, mas a todos. A questão é experimentar e ver como é melhor.

    Muita gente se recusa porque tem preguiça, isso sim.

    Quanto aos padrőes, justamente eles são o “caminho” para que tenhamos livre liberdade de escolha, browsers que estejam de acordo, não renderizarão os sites de maneiras diferentes, o que acontece atualmente, devido ŕ grande diferença (principalmente do IE com relação aos outros) pela qual está adaptado aos Web Standards.

    Portanto, o IE que deve se adequar ŕ essa realidade que pretende justamente isso que vc pediu, dando uma direção para todos seguirem.

    Topo
  5. Carlos Eduardo de Souza | 15/08/06 - 10:50 pm

    Aliás, o IE é totalmente o oposto de uma “livre escolha”, pois vem “guela abaixo” do usuário logo que o Windows é instalado…

    Seria de acordo com a vontade do usuário se não viesse com nenhum browser, aí vocę tivesse que procurar na net um bom pra baixar… Ahhh… Haha… Queria ver só!

    Topo
  6. Thalis Valle | 16/08/06 - 1:28 am

    Adequar-se aos padrőes e educar-se com semântica. Chegará um dia que isso será obrigatório.

    Topo
  7. Maicon Junches | 16/08/06 - 8:36 am

    Brother, eu não vejo o porque ser contra os padrőes web. Entre todos os benefícios que um site com padrőes da, tem um lado que eu gosto ainda mais. Já parou pra pensar nos sites que desenvolvia com spacer, tabelas e tudo mais? Bom, eu não tinha tesão de fazer aquilo. Agora quando vocę faz um folha de estilo, acompanhada de um belo codigo limpo (XHTML), isso sim me da tesão de desenvolver e olhar.

    Topo
  8. Joares | 16/08/06 - 10:23 am

    Comparo desenvolver sites nos padrőes com o simples fato de lavar as mãos antes de comer… tipo… tem gente que não o faz… errado? É até… lhe faz mal… pois vc está ingerindo o que não presta… assim como no site… vc desenvolve algo lhe lhe fará mal lá na frente… pois vc mesmo terá dificuldade em atualizar o site e talz…

    Acho que frases como a indicada no artigo: “Se eles não…” demonstra muito mais uma imaturidade do que qq coisa…

    A questão é… se existe padrão… é pra ser seguido… vamos supor… um bom exemplo foi dado pelo Diego Eis em um artigo… imagine se as tomadas fossem cada uma de um tamanho…. como seriam fabricados os eletrodomésticos?

    Padrőes existem e devem ser seguidos!

    Topo
  9. Igor Escobar | 16/08/06 - 10:25 am

    Todos questionam o fato do google não se adequar aos padrőes mais ninguem sabe o real motivo. É claro que pelo nivel das aplicaçőes criadas por eles ele ja devem saber de cabo a rabo o que são padrőes, microformats, semântica etc.

    Talvez eles não devem se adequar a isso por questőes de recursos mesmo, as vezes vocę deixar o seu site 100% com todos estes padrőes, dar valores semânticos as coisas pode limitar o desenvolvedor de algumas coisas até mesmo dar ao programador “mais alguma coisa para se preucupar”, fazer um site todo corretinho, usando os valores semânticos adequados a cada area do site pode limitar o programador a fazer certas coisas; Até mesmo alguns destes padrőes podem ser incompátivel com a IDE de desenvolvimento deles o Google Web Toolkit. Eles usam muito ajax, e algumas coisas podem fazer com que o resultado não seja o esperado.

    Mas sim, eu concordo com o fato de existem coisas simples que eles podem fazer como colocar um DOCTYPE na pagina.

    Att, Igor Escobar.

    Topo
  10. Leandro | 16/08/06 - 10:30 am

    GRANDE CARLOS!!!

    Agora outra dúvida, pelo que leio, sempre vejo reclamaçőes de sites que não abrem no FIREFOX, normalmente os sites amadores, e então precisam recorrer ao IE.

    Do mesmo modo leio que o Firefox segue os padroes web (W3C), por isso muitos sites não conseguem ser visualizados nele.

    Pelo que escreveste é exatamente ao contrário, o IE que não segue?

    Topo
  11. Carlos Eduardo de Souza | 16/08/06 - 12:43 pm

    Exatamente!
    Há muitos “recursos”, assim digamos, que são específicos para o Internet Explorer e que só ele “compreende”.
    Ou melhor, há muitos sites remanescentes dessa época em que fazer para o IE já bastava… Hoje em dia que está mudando.
    Por isso ainda encontramos muito site que funciona no IE mas não no Firefox (quando falamos “Firefox” também podemos estar nos referindo ŕ todos os outros browsers, como Opera, Safari, etc., que são melhor adequados aos padrőes).
    Encaro o IE realmente como a excessão entre os navegadores. A probabilidade de um site funcionar em todos os outros, além do FF, é praticamente nula, se comparado ao número de sites que funcionam em todos os outros e não dão certo no IE.

    Ah, sem contar o fato que somos forçados, na grande maioria, em fazer correçőes somente pro IE. Desta forma, muito site parece estar abrindo correto em todos, mas há correçőes que devem ser feitas especificamente pra este navegador.

    Topo
  12. Jader Rubini | 16/08/06 - 2:17 pm

    Pô, o Leandro viajou legal…
    É claro que quando se fala em ter que seguir os padrőes web, refere-se e restringe-se exclusivamente aos desenvolvedores profissionais. Cara, seu pai não tem nada a ver com essa discussão, a menos que ele faça sites pra outras empresas e se auto-denomine desenvolvedor web
    Além disso, vocę deveria procurar saber mais sobre as diferenças entre o Firefox (e todos os outros broswers decentes) e o IE antes de sair falando essas coisas.
    Ao contrário do que vocę escreveu, não é o Firefox que é limitado quanto aos padrőes, e sim o IE, o que o faz ser justamente oposto ao ideal “internet de todos”, ou “o browser para todos” que vocę colocou.
    Padrőes web são para profissionais da web, quanto aos que tęm a web como hobbie, deixe que continuem usando FrontPage (ou Word).

    Topo
  13. Leandro | 16/08/06 - 3:29 pm

    Ainda me preocupo mais com IE, por uma questão matemática (em torno de 90% dos usuários usam IE).

    O que vejo é que desenvolvedores utilizam mais FIREFOX (e outros) ao invés do IE. E priorizam ele ao invęs do IE. O que está errado do ponto de vista de negócios. Se meus clientes usam mais IE, ele deve ser a prioridade.

    Leio em todo lugar críticas ao IE, normalmente de desenvolvedores que utilizam o Firefox: “Perdi 3 horas fazendo um alinhamento”, “As margens não se ajustam”. Isto é relativo. Se o desenvolvedor priorizasse o IE, ele teria a dificuldade de utilizar o Firefox. Isso ocorre comigo e meus colegas de trabalho.

    Jader, ser desenvolvedor não é apenas se preocupar com scripts e ideologias, a não ser que vocę queira ser um profissional mediocre. É preciso focar no resultado, para o qual vocę esta fazendo o site.

    Eu pergunto, é mais importante seguir os padrőes web ou levar a informação ao meu cliente?

    Fico com a segunda opção.

    Topo
  14. Rogério Brum | 16/08/06 - 4:26 pm

    Primeiro a questão levantada pelo post:
    Acho que um dos fatores que levam o google a não seguir os padrőes é o fato de que os navegadores antigőes nao os suportam. Acho que o google quer que os sites deles apareçam da mesma forma em todos os navegadores. Desde o Netscape 1 (existe isso) até o Firefox 1.5.

    Sobre os pontos levantados pelo Leandro:

    Eu pergunto, é mais importante seguir os padrőes web ou levar a informação ao meu cliente?

    Que tal os dois? Tu acha que um cego vai conseguir visualizar teu site estruturado com tabelas.
    Desenvolver no firefox nao significa desenvolver focado no firefox. Se tu tentar desenvolver um site no firefox e depois ajusta-lo no ie verá que nao precisa fazer mais que um ou dois hacks. O contrario é inviável.

    As vantagens de se seguir os web standards são muitas e eu nao preciso ser papagaio de pirata e repeti-las aqui.

    Em relação ao teu pai ele provavelmente desenvolveria o site dele num editor wysiwyg ou até mesmo no word. Nao é teu pai que tem que saber os padroes e sim o programa em que ele desenvolveria este site que deve segui-los.

    (…) ser desenvolvedor não é apenas se preocupar com scripts e ideologias, a não ser que vocę queira ser um profissional mediocre. É preciso focar no resultado, para o qual vocę esta fazendo o site.

    Exato, é por isso que eu sigo os padroes…

    Topo
  15. Carlos Eduardo de Souza | 16/08/06 - 6:07 pm

    O mais importante é seguir os padrőes e levar a informação ŕ todos os clientes, ou no mínimo, ao maior número possível. Isso inclui clientes em outros dispositivos além do PC e com certos tipos de deficięncia, pois um site seguindo os padrőes, será bem renderizado por um browser específico para tal uso.

    Sobre o que o Rogério disse, achei muito legal e concordo totalmente com essa frase:

    Nao é teu pai que tem que saber os padroes e sim o programa em que ele desenvolveria este site que deve segui-los.

    Topo
  16. Leandro | 17/08/06 - 1:01 am

    Concordo contigo Carlos!

    Estava discutindo isso com meus colegas hoje. Pena que esses atuais padrőes estabelecidos não tenham sido baseados no IE.

    Agora vai levar muito mais tempo pra que a web estabilize em relação aos padrőes. Muita informação será perdida.

    Topo
  17. Eugenio Grigolon | 18/08/06 - 9:40 am

    Eu já comentei sobre o IE e sobre seus avanços. Vamos lembrar pessoal, o IE foi feito para usuário comum, e não para desenvolvedores como FF e outros.

    Assim como Windows é mais voltada para parte de usabilidade e UI e não para parte de desenvolvimento como um Linux. Veja o MAC OS e suas versão, são todas voltadas para o design, mesmo porque esse é seu objetivo.

    Então, não vamos esperar que o IE torne-se um FF. Ainda teremos de fazer estilos diferentes para se adaptar a navegaores variados. É uma grande batalha que temos, mas a Microsoft pensa mais lado usuário do que desenvolvedor. (Vamos deixar claro que Microsoft também cria ambientes para desenvolvedores).

    Topo
  18. Carlos Eduardo de Souza | 18/08/06 - 3:32 pm

    Bom, não acho que o FF seja feito para desenvolvedores. Ele simplesmente oferece possibilidade para que seja utilizado por “eles”.
    Ou seja, há possibilidade de se instalar plugins facilmente, que desta forma, ajudam (e muito) os desenvolvedores. Mas não que ele seja projetado para desenvolvedores.

    Para mim, tanto IE quanto FF (e outros browsers) são feitos para uso comum, não só para fins específicos. O que diferencia é a facilidade com que eles permitem outras formas de utilização, além da “simples” navegação, caso do IE que não é tão flexível quanto seus concorrentes.

    Topo
  19. Leandro | 19/08/06 - 3:53 pm

    Fala a palavra plugin para um usuário comum e olha a reação dele.
    É coisa de outro mundo.

    Concordo com o Eugęnio, FF é feito para desenvolvedores, ou no mínimo usuários avançados, mas de forma alguma para o usuário comum.

    Boa Eugęnio! Foco no usuário, no seu cliente, para quem irá usar sua aplicação. Prioridade no IE (80%), e os outros depois.

    Topo
  20. Carlos Eduardo de Souza | 20/08/06 - 9:01 am

    Mas pense: se vocę não falar em plugin e nada disso, o FF continua sendo um ótimo browser… Não precisa de nenhum conhecimento avançado para utilizá-lo!

    Minha mãe consegue usá-lo normalmente, a opção de abas também! Ela só mechia no Internet Explorer e quando mostrei essas simples funcionalidades do Firefox, ela gostou.

    Não acho que tenha algum sentido dizer que um browser é só para desenvolvedores e outro pra usuários ‘comuns’…

    Topo
  21. Leandro | 20/08/06 - 12:51 pm

    Não é EXCLUSIVO para desenvolvedores, é VOLTADO para desenvolvedores.

    Eu gosto do FF, porém acho que ele é ainda um browser para todos. E neste ponto o IE leva vantagem.

    Como desenvolvo aplicaçőes para todos, e quero atingir o máximo de pessoas possível, uso o mesmo browser que eles: o IE.

    Não estou discutindo qual browser é melhor, até porque todos possuem vantagens e desvantages.

    Mas o ponto mais importante pra mim é o cliente, o usuário final. É uma opção de negócio, não técnica nem ideologica.

    Tenho absoluta certeza que a Microsoft tem capacidade de criar um browser totalmente compatível ao Padrőes Webs, ela não o faz porque não quer.

    Sou totalmente contra software livre a nível emprasarial, porém isto é outro assunto… não vou misturar as coisas aqui.

    Abraço

    Topo
  22. Rogério Brum | 21/08/06 - 10:04 am

    Eu já comentei sobre o IE e sobre seus avanços. Vamos lembrar pessoal, o IE foi feito para usuário comum, e não para desenvolvedores como FF e outros.

    Minha noiva é uma usuária comum e só usa firefox. A unica vantagem estrategica do ie sobre o firefox (e demais browsers) é a mesma que ele tinha sobre o netscape. Ja vem instalado no windows.

    Não é EXCLUSIVO para desenvolvedores, é VOLTADO para desenvolvedores.

    Meu firefox só “se volta” pra mim quando eu instalo a web developer, o ieTab e a measure It. Quando o instalo sequinho ele é tao “inutil” quanto o ie. Isso falando como desenvolvedor (exceto pelo console de javascript).

    Boa Eugęnio! Foco no usuário, no seu cliente, para quem irá usar sua aplicação. Prioridade no IE (80%), e os outros depois.

    Desenvolvo focado no usuário e uso o firefox. Usando-o tenho uma velocidade maior de desenvolvimento pois tudo que funciona no firefox vai funcionar no ie mas o contrário nao existe. Tentar fazer um site seguindo os web standards no ie é insanidade. Nesse ponto ja imagino alguns pensando: “Ah, mas web standards é bobagem… só desenvolvedor se preocupa com isso”. Pra combater este “argumento” eu falaria:
    “Com o ie vocę atinge 80% dos usuários. Com os web standards vocę atinge uns 110%”
    Esses 10% são usuários que vocę nunca imaginaria atingir desenvolvendo para o ie (celulares, pdas, e pessoas com algum tipo de deficiencia fisica).

    Topo
Comente este artigo
  1. (obrigatório)
  2. (obrigatório)

Links Randômicos
Meta
Apoio
Créditos
Creative Commons